quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Da Mãe Índia, com Amor 2.

Bollywood - o mercado cinematográfico indiano - é algo fascinante e paradoxal. Se por um lado temos uma seleção das atrizes mais lindas do mundo (mulheres que colocam estrelas de Hollywood no chinelo) , por outro temos um zilhão de produções do chamado "cinema B de ação", onde generosos orçamentos aliam-se a captações medíocres, roteiros mirabolantemente ruins, atuações pífias e, mesmo assim, fazem um sucesso estrondoso na Índia.

Radijikanth: herói nacional indiano.

Com tantos tiros, explosões e pancadarias, é claro que sempre sobra alguma pérola desta "escola" que vale a pena propagar, e o vídeo abaixo não deixa por menos.

Com vocês, a melhor (ou pior) cena de perseguição da história do cinema
(o momento em que o nosso herói desliza com o cavalo por baixo de um caminhão é...é...é...):



Além de risos, este tipo de incursão cinematográfica desperta também uma série de questões:

- Por que todo mocinho-indiano-estilo-Chuck-Norris usa bigode?

-
Por que todo mocinho-indiano-estilo-Chuck-Norris se veste como um taxista?

- O mercado de vidros falsos na Índia é realmente tão promissor quanto parece?

- Como os indianos conseguem deixar os carros estacionados daquele jeito sem um helicóptero?

- Quanto um dublê de cavalo ganha na Índia?

E a pergunta do milhão:

- Será que o diretor grita "Corta!" no final de uma cena dessas?

6 comentários:

Jo Leal disse...

Coisas que aprendemos com os filmes indianos: jogar um cano de descarga no radiador de um jipe faz ele levantar voo! :)

Édnei Pedroso disse...

Pois é, Jo. Se MacGyver estivesse morto, ele reviraria no túmulo por nunca ter pensado nisso.=P

Abração.

sapao318 disse...

rapaz..faz tempop que quero comentar isso mas só agora que vou conseguir..
primeiro: COITADOS DOS CAVALOS MEU!
posso falar sem medo...no minimo uns tres ou quatro dessas cenas foram mortos...não tem como aguentarem essa merda de entortar pescoço não!! pobres bichos!!

segundo: esse filme deve ter levado uns 5 anos pra ser terminado...repara na diferença de qualidade em algumas cenas e na idade do "ator/mocinho"..que coisa pavorosa..

terceiro: os vidros tu matou..o irmão do diretor deve ter uma fábrica..só pode!

quarto: os carros, ah os carros..de um take de 3 segundos pra outro eles mudam de lugar, cor, tipo, modelo e situação..que coisa meu!!

e por final..o diretor , eu acho, sóia fazer esse filme na vida, então meteu o que podia de cenas que ele alguma vez tenha visto de filmes americanos,hehe!!

mas eu gostei do que vi..ri bastante!!

abração..e tadinhos dos cavalos meu!!

Édnei Pedroso disse...

É verdade, o céu dos cavalos deve estar cheio depois desse filme, uahuahua.

O pior é que não importa o tamanho da podreira: um filme desses dura para sempre.=P

Abs.

Ibirá Machado disse...

Aaahh, não gosto nada de ver postagens como essa! Não que isso não seja verdade, mas é apenas um terço da verdade! Se eu me esforço tanto pra manter o blog Cinema Indiano atualizado e bem feito, não é porque quero tirar sarro de ninguém. Mas ao contrário...

Abraços!

Édnei Pedroso disse...

Olá, Ibirá...

Entendo como se sente lendo este texto sobre cinema indiano (algo que, pelo visto, vc ama de verdade). Concordo com muito do que vc disse e tenho ciência de que a Índia, como maior mercado cinematográfico do mundo, tem muito mais do que apenas "filmes B de ação" para oferecer. O post apenas faz alusão a esta modalidade de filme (que, querendo ou não, tb é uma faceta de Bollywood), e não uma generalização (tanto que enumerei que "se por um lado tem atrizes assim, por outro tem muitos espécimes assados..."). Se puderes entender por este lado, fico feliz.

No mais, dei uma fuçada no seu blog, e ele é realmente excelente e muito completo (pra quem quiser saber mais, tem de tudo sobre cinema indiano). Parabéns.